Poemas de Elieni Cristina da Silva Amorelli Caputo

Veja um grafo dos poemas de Elieni Cristina da Silva Amorelli Caputo

Meus sonhos são 
a repetição 
do abismo 
onde meu corpo 
é lançado 
e fisgado
em loop
infinito
0

Mulher

Elieni Caputo Gerar poema da máquina
8 likes
  •        
Meus sonhos caíram sob o olhar de elefantes negros.
Submergiram, repousaram e do barro renasceram –
são agora pássaros profanos que entoam seu canto
pra mulher banida dos sonhos humanos.
A mulher sonha que é animal, feito de sangue, couro e sal.
Na mata, ela alia-se ao espírito ancestral,
entoando um hino maldito que convoca do ventre da mata
a serpente e seus anjos caídos.
1

Sobre o cigarro e o esquecimento

Elieni Caputo Gerar poema da máquina
6 likes
  •        
Quando fumava, evocava memórias antigas: algumas feitas de ferro, pressionavam a parte fina do coração. Memórias em brasa, desejava extirpá-las a cada tragada, mas parecia injetá-las. 
E quando fumava, a cada baforada, percebia que não esquecia a tristeza. E quando apagava o cigarro, o esquecimento não tomava a forma da fumaça. 
E não se apagava.
Assim se despedia do que nem sabia, à mercê do rio da vida, que deságua no esquecimento e num dia que não me lembro.
2

Vãos

Elieni Caputo Gerar poema da máquina
10 likes
  •        
VÃOS
Agora o tempo se esvai, calmo e degredado. A chama da vida se parte na face do homem arruinado. 
As orações ecoam no cerrado, cruzam abismos e riachos, deságuam.
A quietude da sombra segue o passo do rebento: encolhido e pequeno, estica-se a cada passo. Seu silêncio fora rompido pelo primeiro balbucio, centelha do verbo divino acesa, humano apartado do infinito, do instinto. 
Caem sóbrias as flores na alameda. Seu som vazio ecoa na terra, sem testemunha. 
Todos dormem ao romper da aurora. O gado magro deita-se resignado na relva ressequida do cerrado. Ontem não mais existia. O futuro é uma mentira.
Do pó renascem a pérola, a criança faminta – na brisa perdem-se os dias.
0

Destino

Elieni Caputo Gerar poema da máquina
5 likes
  •        
Não escrevo carta
Nem diário.
É mudo
Sem moldura
Meu passo 
Leve e bailarino.
Todo meu dia é de morte.
Como sombra volátil,
Meu passado.
1

Sombra

Elieni Caputo Gerar poema da máquina
12 likes
  •        
A sombra
é um ato
de silêncio
dissolvida
no tempo
apago a luz

retorna
quando a esqueço
pequena e deformada
como a angústia
se apaga
quando durmo 
e desapareço

A cegueira desconhece
a sombra
2